Formulário facilita encaminhamento à vacina contra Covid-19 para pacientes oncológicos

Formulário facilita encaminhamento à vacina contra Covid-19 para pacientes oncológicos

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Campinas disponibilizou um formulário para simplificar a vacinação contra a Covid-19 de pessoas com comorbidades. Como ainda há dúvidas sobre o grupo de doenças incluídas na lista de imunização, inclusive por parte dos pacientes oncológicos, o formulário traz listada cada uma das enfermidades. Também facilita o encaminhamento por parte do médico responsável pelo candidato à vacina.

Quem se enquadrar no grupo prioritário de comorbidades para vacinação contra a Covid tem a opção de levar o formulário ao seu médico, para que ele ateste a existência da enfermidade. O médico assinalará a comorbidade no documento e, no final, irá datar, assinar e carimbar. O carimbo precisa ter o nome do profissional e o número do registro do CRM.

O Centro de Oncologia Campinas lembra a seus pacientes que é imprescindível conversar com o médico antes de agendar a vacina contra a Covid. Somente o médico poderá avaliar se o paciente faz parte do grupo prioritário de vacinação e se está apto a receber o imunizante.

O formulário está disponível para ser baixado aqui.

A vacinação de pacientes oncológicos a partir dos 50 anos de idade tem início na próxima sexta-feira (21). O agendamento está aberto no site oficial da vacinação em Campinas.

Na próxima sexta-feira, começa também o agendamento de pessoas com doenças pré-existentes a partir de 45 anos.

É importante destacar que o formulário não inutiliza os outros meios válidos para comprovação de comorbidades. É possível apresentar, no ato da vacinação, atestado médico ou receituário (este, dependendo do tipo de comorbidade), com assinatura e carimbo do médico legíveis.

Além do formulário ou do atestado médico, o paciente com comorbidades precisa apresentar comprovante de endereço em seu nome e um documento oficial de identificação com foto.

Segundo estimativa das Prefeitura de Campinas, o grupo de pessoas com comorbidades a partir dos 50 anos apto a se vacinar contra a Covid em Campinas é de 40 mil pessoas.

Pacientes oncológicos são mais suscetíveis às complicações da Covid-19

O médico Fernando Medina, do Centro de Oncologia Campinas, explica que pessoas com câncer são mais suscetíveis às complicações da Covid-19. Enquanto entre 3% e 4% dos infectados pelo novo coronavírus correm risco de evoluir para a forma grave da doença, nos pacientes oncológicos o percentual pode chegar perto dos 13%.

“Os pacientes em tratamento do câncer são geralmente imunossuprimidos (redução do sistema imunológico), por ação de medicamentos, quimioterapias ou radioterapia. Por isso, o risco de complicações em caso de Covid é bem maior na comparação com os demais”, detalha Medina. Quanto as vacinas utilizadas no Brasil contra a Covid-19, Medina tranquiliza: nenhuma delas traz risco ao paciente oncológico, desde que este paciente tenha a indicação de seu médico para a imunização.

Saiba mais: Pandemia agrava realidade do câncer

Os pacientes oncológicos incluídos no grupo de comorbidades são aqueles que fazem ou fizeram quimioterapia ou radioterapia nos últimos seis meses, ou imunoterapia, além dos que possuem neoplasias hematológicas, como leucemias.

Quais são as comorbidades?

Confira a seguir a lista de todas as doenças incluídas no grupo prioritário de vacinação:

  • Doenças Cardiovasculares
  • Insuficiência cardíaca (IC)
  • Cor-pulmonale (alteração no ventrículo direito) e Hipertensão pulmonar
  • Cardiopatia hipertensiva
  • Síndromes coronarianas
  • Valvopatias
  • Miocardiopatias e Pericardiopatias
  • Doença da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas
  • Arritmias cardíacas
  • Cardiopatias congênitas no adulto
  • Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
  • Diabetes mellitus
  • Pneumopatias crônicas graves
  • Hipertensão arterial resistente (HAR)
  • Hipertensão arterial – estágio 3
  • Hipertensão arterial – estágios 1 e 2 com lesão e órgão-alvo e/ou comorbidade
  • Doença Cerebrovascular
  • Doença renal crônica
  • Imunossuprimidos (transplantados; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas em uso de corticoides; pessoas com câncer).
  • Anemia falciforme e talassemia maior (hemoglobinopatias graves)
  • Obesidade mórbida
  • Cirrose hepática

Dica de leitura: A importância da higienização das mãos